quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Novos Quadros




Se no amanhecer de maio de 68 todas as importantes correntes juvenis estavam motivadas a percorrer caminhos que levassem ao rompimento com o tradicional, encarado como um ‘’pai’’ cada vez mais castrador,hoje há um número cada vez maior de jovens que buscam se enquandrar em um padrão afim de serem aceitos pelas ditaduras silênciosas da moda, mídia e do mercado.


A tentativa de caber no quadrado imposto faz com que se tornem descartáveis tendo em vista que as têndencias,como já resume a própria palavra, são passageiras e apelam por mudanças quase sazonais na mediada em que não buscam uma autenticidade individual e sim uma inclinação coletiva que possa ser desfrutada como fonte de consumo.

Sem uma sincera invetigação pessoal na busca por quem realmente são essa geração não consegue ser feliz, é tomada pela sensação de incompletude por nunca conseguir cumprir as expectativas.


A discussão da repressão que é imposta pela sociedade, apresentada como idéia pricipal em ‘’ O Mal-Estar da civilização'', escrito por Sigmund Freud em 1929, aponta que cada indivíduo está exposto a uma espécie de policiamento dentro de um meio social repressivo causando uma alienação diante das regras que inibe o desenvolvimento do ser humano. Por encontrar-se alienado no meio ao qual pertence,diante das imposições de uma sociedade repressiva, e sem a possibilidade de um ambiente que permita a total liberdade, o ser humano não encontra possibilidades de concretização da felicidade, entendidada por Freud como aliberação das energias instintivas.



Um comentário:

Vivo em Abundãncia disse...

E aqui Jazz um belíssimo trabalho - rsrs